domingo, 21 de agosto de 2011


Catarina &

A Lenda

dos

Anjos

Capitulo I - Um lugarzinho no Meio do Nada

por Claudio Peixoto Campos

Temos dons diferentes, conforme a graça que nos foi conferida. (Romanos 12,6)

Caro Teófilo já escrevi para você muitas cartas de minhas andanças pelo mundo, contudo hoje te trago uma lenda que aconteceu em um lugar chamado Altiora a qual como você sabe tem na sua capital Lorena a bela Igreja da Matriz de Nossa Senhora da Solidariedade, que ganhou esse nome há muito tempo atrás quando Altiora estava passando por uma grande calamidade e um Padre local chamado Tito, que Deus o tenha, saiu de Lorena em peregrinação pelo país. Ao chegar na Cidade do Cais viu tanta miséria que foi as lagrimas. Então como a Igreja local estava destruída devido à catástrofe e o povo perdido sem um pastor, fez o bom padre na praça do local uma Missa. Fixando o crucifixo em um Baobá, marca essa que existe lá no tronco da árvore até hoje, armou um altar simples e santo e convidou os fies à oração. Quando consagrava o corpo de Cristo teve uma visão de Nossa Senhora flutuando em cima de um pé de Acácia, que estava bem em frente ao Baobá, convidando todos a serem solidários e se unirem em oração. A Santa Mãe de Deus disse que apareceria na Missa seguinte e ficassem todos em oração pela conversão dos homens. Muitos que estavam lá não virão a Imaculada Rainha do Céu, mas testemunharam sete raios de luz dos mais belos saírem do pé de Acácia. Logo a história se espalhou pela região e muito mais gente foi ao local na Missa seguinte onde aconteceu novamente o fenômeno e Nossa Senhora disse que apareceria de novo no próximo Domingo. O Bispo local da época, Dom Guido, muito santo e sábio foi lá averiguar os fatos que já era conhecido até fora das fronteiras de Altiora. Assim como prometera aquela que todas as gerações chamaram de Bem-Aventurada apareceu na terceira Missa, na mesma hora e local e o Bispo teve a mesma visão do padre e mandou construir em Lorena a Igreja da Matriz de Nossa Senhora da Solidariedade. Onde a imagem da santa fica exposta ao povo num pequeno jardim onde nasceu da noite para o dia um loureiro.

Muito tempo depois desses eventos, nesse país em um local bem afastado da capital Lorena existia uma vila tão pequena que nem no mapa aparecia e só existia porque os moradores do local sabiam que ele existia, era a Vila de São Tomé que tinha uma igreja do mesmo nome do Santo da vila. O povo local dizia que tinha que ir lá para crer que a vila existia.

Lá era o lar de cinco moças muito bonitas uma delas a professora Dona Sofia Shinichi, que era muito devota de Nossa Senhora de Akita e filha de imigrantes japoneses que vieram ao local plantar arroz há muito tempo. Não tinha assunto que ela não conhecesse era uma enciclopédia ambulante. Deus deu a Sofia a sabedoria, uma inteligência penetrante e um espírito de uma visão tão vasta que de todos os povos vinham pessoas ouvir a sabedoria de Sofia. E saiam de lá dizendo.

- Não há sobre a terra mulher semelhante a esta no valor, na beleza e na sabedoria de suas palavras.

Ela respondia aos que buscavam sabedoria:

- Se alguém de vós necessita de sabedoria, peça-a a Deus - que a todos dá liberalmente, com simplicidade e sem recriminação - e ser-lhe-á dada. (São Tiago 1,5) porque o Senhor é quem dá a sabedoria, e de sua boca é que procedem a ciência e a prudência. (Provérbios 2,6)

E quem podia esquecer as aulas de catecismo com a irmã Helena da Imaculada Paixão? Uma missionária muito caridosa que veio lá da Lecce uma cidade da Itália para ajudar os necessitados e evangelizar os pequeninos, muitas das crianças achavam engraçado o sotaque da irmã. Mulher forte trabalhadeira levantou com a força do seu trabalho; virando cimento, batendo pregos e tijolo por tijolo até construir a sala de catequese que era branquinha como uma nuvem do céu dedicada a Nossa Senhora da Neves.

Amazona destemida Ártemis andava por aquelas terras mais rápido que um raio com seu cavalo. Ártemis era a moça mais valente da região e a heroína do local. Todo mundo conhecia a história da ruiva corajosa, que o marido morreu nas vésperas de levar o gado do patrão. A viúva não teve nem tempo de curtir o luto do marido amado, pois tinha que cumprir o contrato de levar o gado para outra região; assim ela montou no seu alazão e levou o gado para outra região. Começou ali uma lenda no sertão.

Outro feito de Ártemis foi quando um sujeito à toa veio levar as meninas daqui para o mau caminho. Irmã Helena zelosa pastora de suas ovelhas interveio e o sujeito vil bateu na pobre freira, tal covardia nunca se viu. Ártemis chegou peitando o valente que com medo de quebrar os dentes foi-se embora.

A diversão do local era escutar a Rádio Mensageira da Esperança da Marilza Malaika Maisha. Quando menina Marilza começou trabalhando no correio e teve a idéia de montar uma rádio local em sua casa, levando mensagens de esperança, informações, musica, entrevistas e até narrando o futebol não só à Vila São Tome, mas a vilas vizinhas. Logo a rádio foi crescendo se tornando um ótimo meio de propaganda: Você quer que seu negócio seja conhecido? Mandar aquela mensagem à pessoa amada? Mande pela Rádio Mensageira da Esperança e não podemos nos esquecer que toda à tarde religiosamente as 18:00 h a oração do terço, tinha essa oração as seis de manhã e ao meio dia também, mas o povo parava mesmo as das 18 horas. A rádio tinha tanta importância no local que mandaram colocar até um alto falante na praça, só para o povo escutar. Com o tempo a rádio cresceu tanto que teve de mudar para uma casa maior que ela mandou pintar de verde, cor da esperança para alegrar o povo da região, é claro que com esse aumento ela arrumou gente para ajudá-la na rádio como, por exemplo, Irmã Maria Helena e a Professora Sofia, que tinham cada uma seu programa todos dois com grande audiência.

E a última a doutora Angela Aruana, índia dos mais belos cabelos pretos, filha dessas terras que se formou e voltou para cá, criando em sua casa um pequeno hospital, dedicado a Nossa Senhora de Guadalupe, para atender a quem precisava (mas o povo não gostava dela quando tinha que tomar injeção). Além disso era poetiza, compositora de várias músicas de louvor a Deus, mestra em diversos instrumentos musicais; e por isso responsável pela musica na Igreja. Diziam que ela tinha o dom da profecia, mas isso é outro detalhe. Ah! Sim, ia me esquecendo de dizer que ela foi uma das primeiras a ajudar e ter um programa na Rádio Mensageira da Esperança onde ela esclarecia ao povo dando vários conselhos médicos.

É apesar de todos esses tesouros Vila São Tomé nem aparecia no mapa.

Um dia essas cinco moças se juntaram criando o jornal da paróquia que acabou crescendo e se tornado um jornal local.

Um comentário: